Resenha | O dilema das redes e o mundo futuro


O filme documental produzido pela Netflix fez questão de expor os riscos e as positividades que o uso da internet trouxe para o século 21. “The Social Dilemma” ou “Dilema das redes” traz à tona uma série de contextos políticos, econômicos e sociais que avançaram ou sofreram grandes alterações desde o surgimento da internet. 

O streaming reuniu especialistas em tecnologia ao redor do mundo e executivos das grandes corporações, como o Google, Facebook, Pinterest e Twitter para mostrar como o uso excessivo das redes sociais tornou a população mundial mais vulnerável às informações, estando ligeiramente expostas a notícias falsas e como isso é a peça fundamental para a política mundial, que aprendeu a jogar com o que temos no bolso. 

Tristan Harris, ex- especialista em ética de design 
no Google | Reprodução: Netflix

O impacto que as redes sociais causaram e podem causar na humanidade é devastador. De forma bem didática, os produtores do filme deixam explícito como as tecnologias nos vigiam e sabem como chamar nossa atenção, prendendo-nos pelo máximo de tempo possível. De modo direto, as relações humanas foram as mais afetadas, tendo suas estruturas totalmente modificadas em menos de meia década. 

A relação do “é” com o que os “outros esperam ver” das pessoas nas redes sociais é bastante debatida. Professores e profissionais da saúde mental dizem, durante a trama, que isso pode ser irreversível em determinadas situações. A depressão, a ansiedade, os níveis de estresse e a exaustão psicológica tiveram um crescimento absurdo desde o início do século. 

A produção consegue ser bem chocante, mostrando em detalhes como políticos extremistas, que estavam perdendo força (vamos assim dizer), voltaram com um poder de manipulação muito maior que antes usando da internet como ferramenta principal para chegar na população com notícias caluniosas e falsas. É arrepiante como Mark Zuckerberg teve um peso fundamental com a criação do Facebook. Enfrentando diversos processos por conta da falta de cuidado com determinados conteúdos, Zuckerberg é uma das pessoas mais poderosas do planeta atualmente. 

Hoje, as redes sociais, para muitos, são momentos de lazer, mas, para outros, tornou-se instrumento de trabalho. Falsas realidades foram inseridas e brutalmente expostas no Instagram. O documentário deixa claro que tudo não passa de um recorte minúsculo do que acontece no real ou que nada daquilo pode ser realmente verdade. 

Tim Kendall, ex-presidente do Pinterest | Netflix
A onda crescente das fake news tem aumentado cada vez mais nos últimos anos. Os ideais extremistas, e baseadas no irreal, tornaram-se realidade nas nossas telas ganhando cada vez mais espaço e atenção. Em apenas 94 minutos, você consegue ter uma perspectiva do que pode acontecer com o nosso planeta caso haja um abuso extremo disso tudo. Tim Kendall, produtor executivo do Facebook, expõe, durante o filme, sua preocupação: “no prazo mais curto, eu estou preocupado com uma guerra civil”. 

Desde sua estreia na plataforma, “O dilema das redes” está entre os filmes mais vistos, mantendo-se no ‘Top 10’ da Netflix por três semanas. A importância desse documentário é o peso do nosso uso e de tudo que vemos, interagimos e consumimos através dos celulares, notebooks entre outros. A geração Z e os Millenials são os mais expostos e os mais afetados ao longo desses anos, tornando-se a preocupação principal dos especialistas em saúde mental. 

O documentário, dirigido e escrito por Jeff Orlowski, faz também boas referências à tecnologia, mostrando que por trás do que há de ruim, a internet também vem sendo fundamental nos estudos científicos e se aprimorando para salvar vidas, melhorando a qualidade de vida das pessoas e auxiliando no combate às doenças, como a do novo coronavírus. É impossível terminar o filme e não querer mudar seus hábitos com as redes sociais, ou até mesmo com os próprios aparelhos tecnológicos. 

Ao fim do documentário, os especialistas convidados dão algumas dicas de redução de uso e melhora na vivência sem as redes. É importante ver além da tela, o que acontece ao redor e no presente. Se você vive baseado nos inúmeros posts do Instagram, pensar no futuro e vivê-lo será ainda mais difícil, até porque o presente é o agora e o futuro, também. Use tudo com moderação e assista “O dilema das redes”.

Por Felipe Soares.
Até a próxima!

0 comentários